Costumava fazer do pouco muito,
mas agora nem pouco tenho.
Seja você e os enfeitice.
Há 4 dias
102 notas
via · source
reblog this

nevou:

Bota o que ta pra dentro, pra fora
Bota o que ta pra fora, pra dentro

Dizia minha mãe
Minha mãe dizia desse jeito

E eu botei pra fora
O que tava aqui dentro

De dentro pra fora
Se fora com o vento

Há 4 dias
171 notas
via · source
reblog this

nevou:

Sem amor
Padeceria
Dia após dia
Até extinguir-me
Sem amor
Não há olhos para o belo
A vida é fraca de leveza
E o que é viver sem amar
Senão morrer existindo 

R

Há 4 dias
1.359 notas
via · source
reblog this

nevou:

às vezes sou amargo

mas no geral o sabor tem sido
doce. é apenas que tenho
medo de dizê-lo. é como
quando sua mulher diz,
“fala que me ama”, e
você não consegue.

bukowski, o amor é um cão dos diabos. 

Há 4 dias
512 notas
via · source
reblog this

Pudera eu

ser o verso que escapole
e me dissolver nesse olhar nu

Quisera eu

ser o ar rarefeito que te engole
me despir pra esse teu azul

Pudera eu

me projetar nas tuas curvas
cálidas e turvas

Quisera eu

ser arte na tua pintura
me entrelaçar na tua cintura

Pudera eu

ser o soneto
entre o teu azul
e o meu preto.

Amor com Vinho   (via relacerar)
Há 4 dias
207 notas
via · source
reblog this

Me deixa tocar a tua lua
Faça de mim poesia tua
E cruzemos as noites
Em verdes nuvens de peles nuas.

Dan Maia

Há 4 dias
4.114 notas
via · source
reblog this

ver com olhos livres / see with free eyes

Há 1 semana
578 notas
via · source
reblog this
É essa minha compulsão horrível de quebrar imediatamente qualquer relação bonita que mal comece a acontecer. Essa minha mania de tentar destruir antes que cresça. Porque eu nunca tive motivos pra acreditar em nada que dure pra sempre. Aí apelo para o impalpável e para todas as superstições existentes para que tirem a culpa que carrego de querer tanto ser como os outros, mas não sou. E eu acabo me contentando com tão pouco que todo mundo para manter por perto, descobre que pode dar cada vez menos. E eu fico sem nada, me culpando, eu comigo mesmo me ferindo, sem conseguir prestar atenção se com isso, estou ferindo o outro também. Arrancando minhas próprias penas apenas para ver aonde dói. Sendo expulso do peito de todo mundo por não aguentar morar nesses lugares obscuros de mais que são os outros e suas más intenções disfarçadas. Acabando com esses amores voltados pra mim, de tanto que eu queria que alguém me amassem. Tudo é uma fuga, até minhas dores. Principalmente minhas dores. E eu estou cansado demais. Olhe pra mim, olheiras, ossos e escárnio. Percebe a loucura? Louco. Louco e sozinho, porque eu sei que ninguém vai aguentar isso.
Michael Letto (via t-a-q-u-i-c-a-r-d-i-a)
T